Caracterização e análise de “O Céu de Suely” de Karim Aïnouz, como uma narrativa de viagem

*por Ana Luísa Nardin, Beatriz Buck,  Cecília Mazetto, Fabiano Souza Silva e Nayton Barbosa

Introdução:

        Nesse trabalho buscaremos analisar o filme “o Céu de Suely”, que tem a seguinte história: Hermila (Hermila Guedes) é uma jovem de 21 anos que está de volta à sua cidade-natal, a pequena Iguatu, localizada no interior do Ceará. Ela volta juntamente com seu filho, Mateuzinho, e aguarda para daqui a algumas semanas a chegada de Mateus, pai da criança, que ficou em São Paulo para acertar assuntos pendentes. Porém, o tempo passa e Mateus simplesmente desaparece. Querendo deixar o lugar de qualquer forma, Hermila tem uma idéia inusitada: rifar seu próprio corpo para conseguir dinheiro suficiente para comprar passagens de ônibus para longe e iniciar nova vida.

        A análise foi dividida nos seguintes tópicos:

1 – Características de road movie.

2 – O roteiro aberto com o risco do real.

3 – A busca de Suely por um lugar a que pertença, sua identidade e memória.

4 – Leitura documentarizante.

5 – O céu de Suely e de Hermila.

        Utilizamos textos sobre o assunto, além de entrevistas com o diretor, para realizar a análise e desenvolver os tópicos.

Características de road movie

         No texto do Profº Dr. Samuel Paiva, intitulado “Genêses do gênero Road Movie”, ele cita a definição dada por Corrigan ao termo Road movie, que diz que “são, por definição, filmes sobre carros, caminhões, motocicletas ou algum outro descendente motorizado do trem do século XIX”. Tendo isso em vista, buscaremos nesse trabalho expor as características do filme “O céu de Suely” que nos permitem caracterizar tal filme como do gênero “filmes de estrada”.

        Uma das cenas iniciais do filme é a viagem que Hermila, personagem principal, faz de São Paulo para Iguatu, interior do Ceará. Com isso, mostra uma estrada sinuosa com uma paisagem de colinas, diferentes tons de verde. Poucas habitações. O ônibus segue em grande velocidade. Nessa cena, o ônibus aparece de frente a fim de nos dar a idéia de que Suely ainda tem um destino definido, pois é a frente do ônibus que mosra as informações da viagem. Na cena final, após Hermila ficar, como afirma Alessandra Brandão, “descrente do velho mito, que promete vida melhor em São Paulo, e de onde parte outra vez, agora descrente também do mito do amor”, Hermila vai embora outra vez, mas dessa vez mostra-se a parte traseira do ônibus, simbolizando a incerteza de mais uma tentativa de se encontrar subjetiva e territorialmente.

        Outra característica desse gênero de filme que encontramos em “O Céu de Suely” é, como disse Samuel Paiva, a de que

“o Road Movie se inscreve no âmbito de representação da modernidade, com suas tecnologias, porém, explicitando crises e contradições. Eis aí uma das prováveis razões para que um pesquisador como David Laderman (2002) entenda o gênero em questão a partir do que ele observa como sendo uma dialética envolvendo valores conservadores e desejos de rebelião, o que faz com que o road movie consiga por em xeque os mitos associados ao indivíduo e à sociedade [...]”.

        Analisando o nosso filme por essa característica, vemos essa dialética ocorrer com temas chaves da trama como a quebra do mito de vida melhor nas cidades grandes como São Paulo, a demonstração da mudança da sociedade de subjetividades sólidas para subjetividades líquidas, sobre peculiaridades relativas à questão geográfica e também a discussão sobre a definição de prostituição e sobre todos os valores formados que são contra essa “profissão”.

        Mais uma vez se baseando no texto de Samuel Paiva, o autor, ao desenvolver o tópico intitulado “filme de estrada no Brasil” nos diz que “o estudo do gênero, quando existente, no caso do Brasil, parece ter se orientado mais pelo parâmetro da ‘política dos autores’. Ao lermos uma entrevista concedida ao Cinema em Cena, compreendemos como essa afirmação se enquadra ao caso do diretor Karim Aïnouz, mais especificamente no filme que estamos trabalhando, pois ao falar das inspirações para criar a personagem Hermila, afirmou: “Eu mesmo vivi uma coisa parecida, quando eu decidi que queria estudar fora do Brasil, tanto que fiquei fora muitos anos. Claro que são outras questões financeiras, é muito mais caro, muito mais complicado. [...] Foram algumas recorrências. A personagem da Hermila tem toda uma recorrência que é da minha vida, eu acho. [...] É algo que eu fiquei vendo minha vida inteira: mulheres que se separavam dos maridos e ficavam sozinhas em casa e tinham uma família para criar e não podiam ir embora. E você via um desejo daquelas mulheres de recomeçarem as vidas delas, e na minha geração isso era muito complicado. Na década de 70 e 80, isso era muito complicado de ser feito. Então, o filme vem muito como inspiração a partir dessas mulheres, que eram mulheres muito fortes, muito decididas, mas em nenhum momento elas eram amargas, entende? Tinha essa coisa de uma construção de um personagem que era um personagem feminino forte e que tivesse vivido algo que essas pessoas com quem eu convivi minha vida inteira não viveram.”

O Céu de Suely e roteiro aberto

         O roteiro aberto é mais comum nos filmes documentários, porém existem filmes de ficção, como Céu de Suely, em que o roteiro é apenas uma espinha dorsal e as gravações estão expostos ao real e ao improviso. Jean –Louis Comolli (2008) considera a Nouvelle Vague e o Neo-realismo como exemplo de filmes de ficção com influências documentárias.

         O diretor Karim Aïnouz em entrevista ao site almanaque virtual comenta que durante o festival de Veneza “eles identificaram o meu filme com o neo-realismo, pela maneira como ele foi feito e a própria estória”. Contudo, Karim não considera seu filme neorealista mas sim hiper-realista, em que se apropria do real e o aperfeiçoa.

          A sequência do forró é um exemplo de filmar o real. A atriz Hermila Guedes afirma que “ali não tinha marcação mesmo, não tinha figurantes, as pessoas estavam ali mesmo. A gente não tinha nada planejado ou controlado”.

         Outro exemplo é a cena que Hermila vende rifa no posto de gasolina, em que as pessoas não sabiam do que era aquela rifa, a fotografia nem conseguiu arrumar a iluminação pelo fato de ser espontânea.

      A forma como o filme foi produzido facilita o uso do roteiro aberto e induz ao improviso e ao natural. Os atores, durante as gravações, moravam na mesma casa, usavam apenas os figurinos, não saiam das locações (uma das condições do diretor) e os personagens tinham o mesmo nome dos atores, por sugestão da direção de atores.

        Pode ser considerado uma ficção de busca, pois o deslocamento também transforma a personagem de Hermila, tem uma busca pela identidade além de toda essa carga realista de caráter documental.

       A gravação do filme não seguiu um roteiro fixo, os fatos que ocorrem ao longo da história foram criados partindo dos acontecimentos que livremente surgiam durante as filmagens, o roteiro do filme apenas possuia alguns ganchos fixos como a rifa, ser abandonada pelo namorado e querer sair de Iguatu.

       Em entrevista ao site cinética Karim afirma que “aquelas estratégias que eu usei para fazer o filme, em nenhum momento eram para fazer um filme que fosse perto da “verdade”, mas sim uma maneira de eu ter um material com o qual eu pudesse criar um discurso na montagem. Que é um discurso completamente construído, completamente artificial. O maior insulto para mim era quando diziam que o filme tinha “uma coisa documental”. O que é ‘uma coisa documental’? Eu sinto que a gente está criando um discurso em que as coisas se colapsam”.

A busca de Suely por um lugar a que pertença, sua identidade e memória

       Uma das características de um road movie, é o deslocamentos de personagens em busca de algo ou alguém, buscando satisfazer algum gosto pessoal ou coletivo. Em “ O Céu de Suely” não é diferente.  Logo em sua cena inicial, nos deparamos com a seguinte cena: Um ônibus em movimento, uma janela e um rosto de uma mulher. Trata-se de Hermila, onde descobrimos através de um flashback com imagens nubladas, e pelas expressões de Hermila, que temos uma situação de lembrança por parte dela de momentos do passado, vividos com Mateus (seu parceiro) no lugar de onde ela esta saindo, no caso São Paulo.

      São Paulo este que pode ser interpretado por nós como um refugio onde, para ela e Mateus, seria um local de melhores oportunidades, melhores condições de trabalho e qualidade de vida. Esses atrativos têm sido um dos grandes motivos de boa parte dos deslocamentos de homens e mulheres de cidades interioranas.

        Porém como a realidade é outra, e como ela mesma reproduz em um diálogo com sua tia: “Lá a vida é muito cara”, Hermila volta a sua cidade natal, Iguatu no estado do Ceará, esperando mais tarde, a volta de Mateus. Iguatu, com suas características particulares, representa e tem muita ligação com Hermila, e até por isso foi escolhida como local de gravação e como cidade natal da personagem. Iguatu apresenta-se como um lugar de estagnação e de passagem, já que se trata de um centro comercial às cidades que estão ao seu redor, o que apresenta semelhança com a própria natureza dialética de Hermila. Ela a todo o momento se depara com essa questão, ele possui esperança e vontade de ser feliz, mas isso esbarra e ela se sente presa e fechada em Iguatu, pela pequena perspectiva de se realizar-se lá, uma vez em que quase tudo na cidade é de passagem, menos ela.

        Por essa posição em que se encontra, a escolha de Hermila, após saber que Mateus não voltará ao seu encontro, é querer ir pro lugar mais longe de Iguatu e para isso ela resolve se rifar. O que importa para ela não é o lugar para onde ela irá e muito menos qual será o seu plano, sua vida; a única preocupação é ir embora de Iguatu e abandonar aquela situação.

         Hermila é apresentada com 21 anos de idade, com cabelos alisados e tingidos. Pelo seu modo de vestir, falar, suas relações pessoais e pelo local onde mora, podemos identificar um mulher pertencente às mais baixas e desfavorecidas camadas sociais brasileiras. A partir desse ponto, podemos perceber que o modo de se conseguir independência deixa intervir durante o filme, esta relacionada a três meios: o casamento, uma família e o desenvolvimento amoroso são relacionados à felicidade.

“Neste filme, a mulher apaixonada, mobiliza-se, desloca-se para territórios desconhecidos, luta por projetos construídos com o parceiro, e sofre ao entender que este não virá ficar com ela, como prometera, quando saíram de Iguatu. Após vários telefonemas para São Paulo, Hermila se dá conta de que foi abandonada pelo companheiro. Assim como Hermila, milhares de mulheres que apostam no amor, como sinônimo de liberdade, de construção de projetos de felicidade, são abandonadas por seus parceiros e criam seus filhos sozinhos ou junto a parentes, para os quais retornam.” (SANDRA MARIA, 2011)

            Por se tratar de uma obra onde o silencio muito diz, e pequenos detalhes desenham e formulam questões importantes na narrativa, através da construção de significados, podemos relacionar Hermila com alguns elementos que se apresentam no desenrolar da história, como:

        – Trem que passa por Iguatu: Em todos os momentos em que é mostrado, ele está em funcionamento, apitando e fazendo muito barulho. Em uma cidade como Iguatu, esse trem, visto como alegoria, pode ser lido como algo de passagem, que sempre está em movimento, assim como caminhões e ônibus que estão sempre de passagem pela cidade.

        – Pipas presas no fio: Tais pipas podem passar o sentido alegórico de que pelos fios passam eletricidade, um movimento de energia, que leva energia para se gerar novos movimentos, e as pipas são algo feito para voar, assim como Hermila, porém estão presas e imóveis assim como ela está em Iguatu. Então da mesma forma que os fios são feitos para levar liberdade, eles também aprisionam.

        – Árvore solitária: Durante um plano-sequência feito sobre uma árvore solitária, durante a volta para casa após realizar a noite prometida da rifa. O olha de Hermila, através de uma câmera subjetiva nos mostra uma árvore solitária em um cenário com seu amplo e limpo. A árvore representa um lugar de vida, mas que permanece presa, fixada em um meio árido sem nenhum outro tipo de vegetação ao seu lado, assim como Hermila, que possui sonhos e esperanças, mas está estática e parada.

Leitura documentarizante

      O Céu de Suely tem como cenário o sertão nordestino que se vincula ao relato de uma urbanização em desenvolvimento que dialoga com o estudo rural, ressaltando a questão do cinema contemporâneo brasileiro que busca a categoria “nação e suas formas de representação no espaço simbólico do sertão nordestino”. O filme propõe uma reflexão sobre o espaço geográfico, incluindo estudos de gêneros que são abordados a partir dos arquétipos femininos, questões culturais, além da relação entre centro e periferia que também é ressaltada.

        A personagem Suely tem como base  de fundo mulheres que se separam ou são abandonadas pelos maridos e ficam sozinhas, mas nem por isto deixam de ser pessoas fortes e muito decididas. Em nenhum momento a personagem se mostra amarga apesar das dificuldades que ela encontra ao longo do filme: a própria estrutura familiar, o fato dela não ter mãe, mas ter uma avó presente que se preocupa com ela, e ter uma tia, e principalmente de ser mãe solteira demonstram um suporte do poder feminino na família.

        A questão da prostituição também é abordada, o fato da personagem principal se rifar enquanto mulher, corpo e objeto de desejo sexual geram um conflito entre os próprios personagens, um fetiche entre os homens, um ódio entre as mulheres, existe por trás disto um julgamento moral por parte da sociedade. Exemplo: em determinada cena do filme a personagem é abordada por uma mulher em uma loja e tida como puta, e até a própria avó de Suely a julga e a expulsa de casa. O filme transita na dúvida de que uma mulher rifar seu corpo em busca de ganhar dinheiro, de se sustentar, pode ou não ser uma forma de prostituição, ressaltando o preconceito que ainda existe na sociedade brasileira para com as prostitutas.

        Sendo interessante fazer um paralelo com o livro Filosofia do Amor de George Simmel, que faz algumas reflexões sobre a prostituição no presente e no futuro, ressaltando a indagação moral que a “boa sociedade” manifesta em relação à prostituição é, sob muitos aspectos, matéria de ceticismo. Como se a prostituição não fosse a conseqüência inevitável de um estado de coisas que esta “boa sociedade” justamente impõe ao conjunto da população. Como se fosse a vontade absolutamente livre das mulheres prostituírem-se, como se fosse uma diversão para elas. Entre a primeira vez que o infortúnio, a solidão sem recursos, a ausência de alguma educação moral, ou ainda um mau exemplo do ambiente incitaram uma moça a se oferecer por dinheiro e, por outro lado, a indescritível miséria em que, de ordinário, sua carreira se encerra, claro, entre estes dois extremos, existe na maior parte do tempo um período de prazer e despreocupação. Mas, a que preço e quão breve? Nada mais falso do que chamar de “garotas de vida alegre” essas infelizes criaturas e entender por aí que elas vivem efetivamente para a alegria: talvez para a alegria alheia, mas decerto não a delas.

        O filme traz consigo questões culturais relevantes da sociedade brasileira, moldado por uma trilha sonora típica do sertão nordestino, com três músicas do Aviões do Forró e da Diana, com características que  transportam o espectador para aquela região.

O Céu de Suely e de Hermila

         Durante todo o filme há muitas cenas que enquadram predominantemente o céu. A maioria dos planos externos foi feita de modo que o céu apareça e até domine o quadro. Dentro da narrativa, há várias interpretações que se pode dar a esse céu. Karim Aïnouz utiliza uma referência do dicionário Aurélio para especificar o céu de que fala o título do filme: “qualquer lugar onde se possa ser feliz”.

        Tendo esse conceito em mente, podemos entender vários pontos da personalidade da personagem, que são metaforizados em representações nesse céu. O primeiro que muitas pessoas pensam ao assistir o filme é o céu como paraíso, prêmio oferecido por Suely para o ganhador da rifa, como a personagem diz “Uma noite no paraíso”, ou seja, uma noite de sexo com ela. Ou também seu envolvimento com João, após o fim de seu relacionamento.

       O céu, em geral, é uma busca dela por um lugar em que se encontre, onde possa viver feliz e realizada. Por mais que possa se fazer uma aproximação com o céu cristão, sagrado, feliz, local de descanso e paz eterna, o céu de Hermila tem na verdade o sentido de errância, contradição, constante paradoxo. O céu representa durante o filme mais que a busca dela pela felicidade, um local de paz, mas sua errância e incerteza, uma fuga.

          O céu, em geral, mas principalmente nas cenas na estrada, emoldura a trajetória de Hermila, realçando e complementando a errância de sua vida, como na cena em que ela está procurando seu brinco à beira da estrada, ao pôr-do-sol, e João a busca de moto (uma das cenas preferidas do diretor).

          Na cena da chegada de Hermila a Iguatu, enquanto espera sua tia buscá-la, e na cena em que ela está no telefone público, tentando falar com Matheus, os enquadramentos do céu caracterizam a vontade dela de se mudar e sua expectativa de continuar em Iguatu, com a família, Matheus e o filho, como paradoxo. Hermila não tem certeza, ficar não é algo que deseja muito, mas há a esperança de continuar com seu namorado.

        A cena final é a mais emblemática para esse sentido de errância. Hermila não está apenas indo embora, está indo para o local mais distante possível, por mais que João vá atrás dela, ela não fica, ela já não consegue ficar em Iguatu. Estrada e céu se tocam, como se a busca dela por um lugar seu e a busca dela por ela mesma continuasse. Em seu texto “Azuis de Ozu e de Aïnouz: clausura e deslocamento”, Sandra Fischer em sua descrição realça a importância do céu: “na última cena, estrada e céu tomam conta da tela, de modo que, nos limites, o fim da estrada toca o início do céu; o quadro silencioso desse encontro é rasgado pelo barulho da moto que, retornando, desponta na tela, surgindo na linha do horizonte em que se juntam a quentura do asfalto e a do azul”

Referências

 – FISCHER, Sandra. “Azuis de Ozu e de Aïnouz: clausura e deslocamento”, In: X Estudos de Cinema e Audiovisual – Socine. (Disponível em: http://www.socine.org.br/livro/X_ESTUDOS_SOCINE_b.pdf)

- PAIVA, Samuel. “Gêneses do gênero road movie” (2011) In: Significação nº 36, págs 35 a 53.

- ______ Roteiros abertos em filmes de busca. Trabalho apresentado no XXXV Congresso da Intercom, Fortaleza, 2012.

- SILVA, Acir Dias da. SANTOS, Eder José dos. “Memória e esquecimento em ‘O céu de Suely'”. In: http://www.bocc.ubi.pt/pag/bocc-eder-o-ceu.pdf.

- SIMMEL, George. “Filosofia do amor”, Ed. Martins Fontes – Martins.

- SOUSA, Sandra Maria Nascimento. “Gênero e (des)locamentos: ‘O Céu de Suely'” In: Revista Pós Ciências Sociais. v. 8 nº 16 São Luis/MA, 2011.

- http://www.contracampo.com.br/82/festoceudesuely.htm

- http://www.revistainterludio.com.br/?p=4778

- http://www.revistacinetica.com.br/suelycartaz.htm

- http://www.cinemaemcena.com.br/plus/modulos/noticias/ler.php?cdnoticia=704

- http://almanaquevirtual.uol.com.br/ler.php?id=4899&tipo=2

- http://www.revistacinetica.com.br/cep/karin_ainouz.htm

 

Ana Luísa Nardin é graduanda do curso de Ciências Sociais da Universidade Federal de São Carlos

Beatriz Buck é graduanda do curso de Imagem e Som da Universidade Federal de São Carlos

Cecília Mazetto é graduanda do curso de Imagem e Som da Universidade Federal de São Carlos

Fabiano Souza Silva é formado em Filosofia pela Universidade Federal de São Carlos

Nayton Barbosa é graduando do curso de Imagem e Som da Universidade Federal de São Carlos e Editor Geral da RUA – Revista Universitária do Audiovisual

Author Image

RUA

RUA - Revista Universitária do Audiovisual

More Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>