Cobertura – SeIS 15: America Latina

Por Lucas Hossoe

A Semana de Imagem e Som da UFSCar realizou entre os dias 13 e 19 de abril de 2015 a sua 15ª edição. A SeIS – como é mais comumente conhecida – reúne anualmente professores, pesquisadores e profissionais de diversas áreas do audiovisual para debater e propor reflexões sobre temas pertinentes (ou emergentes) da área. Além das palestras e debates, a programação da Semana contou com exibição de filmes inéditos em São Carlos, incluído o recém-premiado “Fábulas Negras”, de Rodrigo Aragão, mostras de curtas-metragens e fotografias, oficinas e workshops.

A SeIS foi aberta oficialmente com a V Mostra SeIS de Curtas-Metragens, no dia 13 de abril, no Anfiteatro Florestan Fernandes/UFSCar. O público conferiu uma seleção que privilegiou a diversidade da produção brasileira recente para o formato: de documentários, como “Diabolin”, sobre um artista de rua que perambula e impressiona no eixo Olinda-Recife e “O nome é uma coisa d_ outr_”, sobre as experiências de vida de uma mulher transexual, à filmes de gênero, como “Em Quadro” (horror) e “O Sequestro” (ação), passando por filmes experimentais como “Não Filmarás” ou filmes-poema, como a reflexão nostálgica em torno da verticalização de João Pessoa em “Adiós, Jampa Vieja!” e um vídeo-carta emocionante em homenagem a um amigo falecido em “Quando Rosa Virou Azul”.

A data de abertura da 15ª SeIS coincidiu com a triste notícia do falecimento do jornalista, historiador e escritor uruguaio Eduardo Galeano, autor, entre outras obras importantes, de As Veias Abertas da América Latina (1971), e uma homenagem foi feita a ele no discurso do curador Luiz Fernando Coutinho (nosso editor na seção Argumento). Desde 2009, a SeIS tem trazido consigo um eixo curatorial alinhado a um tema central e este ano a escolha foi pelo audiovisual na América Latina, o que torna justa e essencial a homenagem à Galeano.

A SeIS não é só a semana acadêmica da Imagem e Som, mas também o projeto de extensão de maior visibilidade do curso. Organizada inteiramente por alunos, sob supervisão de um docente orientador – este ano a Profa. Dra. Alessandra Meleiro, cada vez mais a ênfase na extensão tem se sobressaído. Em 2015, essa característica foi refletida na descentralização das atividades da SeIS, tradicionalmente restritas ao campus sede da UFSCar, em prol de um contato mais próximo com a comunidade de São Carlos.

Pontos culturais estabelecidos da cidade como o SESC São Carlos, o Cineclube CDCC/USP, a Oficina Cultural Sérgio Buarque de Holanda e o Espaço Gaveta também receberam atividades da semana.

Os convidados das palestras e mesas redondas da SeIS.15 discutiram temas interessantes ao cenário audiovisual brasileiro e latino-americano. Entre elas, pode-se destacar a mesa redonda sobre distribuição cinematográfica, com a participação de Belisa Figueiró, representante da Tucuman Filmes, distribuidora especializada em títulos do continente. Também a palestra de Ananda Guimarães, egressa da Imagem e Som, que há dez anos organiza a MOSCA – Mostra Audiovisual de Cambuquira-MG, e que trouxe para a SeIS as realidades e dificuldades de gestão de festivais de cinema em cidades de pequeno porte.

Outras questões atuais de mercado foram ressaltadas nas palestras de Anna Kühl, Gustavo Morais e Ronaldo Azevedo. Anna e Gustavo, ambos egressos do curso de Imagem e Som, trouxeram as palestras de Gestão de Negócio Criativo e Audiovisual: Linguagem e Mercado, respectivamente. Essas foram duas das palestras mais atendidas na SeIS.15 e lotaram o auditório 1 da Biblioteca Comunitária em seus respectivos dias. A primeira serviu como um incentivo ao empreendedorismo, cada vez mais essencial aos profissionais de audiovisual e a segunda, um manual de preparo e sobrevivência dentro do mercado de cinema e televisão. Ronaldo Azevedo, por sua vez, apresentou as estratégias de criação e monetização por trás da sua websérie “Oi Cueio”, sucesso veiculado pelo YouTube e que já conta com milhões de acessos.

Os recentes debates sobre questões de representação também foram trazidos à SeIS.15. Renata Martins, realizadora premiada pelo curta-metragem Aquém das Nuvens (2011), discutiu a inserção do negro no audiovisual brasileiro, enquanto Natalia Barrenha, doutoranda pela UNICAMP, foi a convidada da mesa redonda que discutiu as influências femininas e as características da filmografia da argentina Lucrecia Martel, uma das cineastas mais renomadas do continente. Outra característica importante do cinema latino-americano, a militância, foi destacada na palestra do Prof. Dr. Arthur Autran, com ênfase na trilogia La hora de los Hornos, do argentino Fernando Solañas.

A exibição de filmes e fotografias também marcou presença da Semana. Na quarta-feira, dia 15, o cineasta Rodrigo Aragão apresentou seu trabalho mais recente, “Fábulas Negras”, que reconta fábulas clássicas do folclore brasileiro sob a ótica do gênero de terror. A exibição encheu o Anfiteatro Florestan Fernandes e  Na sexta-feira, dia 17, a SeIS exibiu o documentário “Uma passagem para Mário”, de Eric Lawrence, sobre a viagem de dois amigos pela América Latina. Com o intuito de dar longevidade à semana e às discussões sobre o audiovisual latino-americano, no dia 19 de abril, aconteceu, no SESC São Carlos, a primeira das quatro Sessões SeIS no SESC de 2015. A parceria trouxe o franco-dominicano “Dólares de Areia” e o argentino “Bem Perto de Buenos Aires”, inéditos na cidade. Já a III Mostra Fotográfica da SeIS ocorreu entre os dias 15 e 19 de abril no Espaço Gaveta, e trouxe um panorama de olhares da diversidade e riqueza cultural, social e natural da América Latina.

Paralelamente às discussões que aconteceram na UFSCar, a SeIS trouxe, em parceria com a Oficina Cultural Sérgio Buarque de Holanda, algumas oficinas que agem como formação complementar dos alunos de audiovisual e aos interessados em geral. Tópicos como direção de arte, direção de atores e desenvolvimento de jogos digitais foram abordados. Também foi oferecido um workshop de trilha musical, este último realizado  em parceria com o coletivo Fora do Eixo.

Fechando a 15ª edição da Semana de Imagem e Som, ocorreu no Palquinho da Federal, no dia 17 de abril, o Palquinho Violeta, celebração promovida pela SeIS e pelo CAIS – Centro Acadêmico de Imagem e Som, em homenagem à compositora, intérprete e artista plástica chilena Violeta Parra, que contou com o melhor da música latino-americana e mais de 450 entusiastas.

Abaixo a cobertura de alguns dos eventos que ocorreram durante a SeIS 15:


 

Primeiro dia:

palesm

Palestra “MOSCA – Mostra de Cambuquira”, com Ananda Guimarães, por Isabella Herling

cueiom

Palestra “Oi Cueio: criando animações para o Youtube, com Ronaldo de Azevedo”, por Matheus Batista

 

 

 

 

 

 

 

 


 

Segundo dia:

arthurm

Palestra “Cinema Militante”, com Arthur Altran, por Daniel Pires

km

Chá da SeIS: Crítica cinematográfica, com Paulo Santos Lima e Francis Vogner dos Reis, por Pedro Oliveira

oficinam

Oficina de Direção de Arte, com Anna Kuhl, por Chris Ribeiro

 

 

annm

Palestra “Gestão de negócios criativos, com Anna Kuhl, por Felipe Castejón

 

 

 

 

 

 

 


 

Terceiro dia:

Cobertura – SeIS 15 – 3º Dia: Palestra “Audiovisual: Linguagem e Mercado”, com Gustavo Morais, por Danielle Ribeiro

 

 

 

 

 

 

 


 

Quarto dia:

Cobertura – SeIS 15 – 4º Dia: Oficina “O Ator e o Outro”, com Gustavo Morais, por Pedro Oliveira

trilha

Cobertura – SeIS 15 – 4º Dia: Workshop de trilha sonora, com Daniel Brita, por Daniel Pires

 

 

 

 

 

 

 


 

Quinto dia:

seis.fwm

Cobertura – SeIS 15 – 5º Dia: Palestra “O negro no audiovisual brasileiro”, com Renata Martins, por Gabrielle Araújo