O Céu de Suely (Karim Aïnouz, 2006)

Retrato de Hermila
Ou porque no meu caminho havia uma pedra chamada Suely

Por Tiago Canário*

Gostei de “O Céu de Suely”, de Karim Aïnouz, quando o vi pela segunda vez. Da primeira, Hermila (Hermila Guedes), a protagonista, me pareceu completamente destoante, tanto em interpretação, quanto em construção – em tudo, na verdade – de todos os outros personagens do filme. Assistindo pela segunda vez, alguns meses depois, me dei conta do essencial: sim, Hermila destoa. No entanto, não como eu pensava, enquanto um deslize, mas como necessidade. Não é que a atriz tenha problemas para se encaixar no filme – e nessa segunda vez percebi que, ao contrário, ela se insere realmente bem -, mas que a personagem não consiga paz em qualquer realidade. O que ocorre é que não há espaço Hermila, seja aonde for. Hermila é sempre o indesejado. Não há céu para Suely.

A primeira seqüência – aqui seqüência-prenúncio, ou talvez epílogo para toda a obra – é um falso conforto; é engodo. A personagem brinca contente com seu namorado e uma voz, sua voz, narra em off o momento em que engravidou. A cena, aparentemente leve, bastante iluminada, resume o que está por vir. Enquanto ouvimos uma música-declaração, um pedido de retorno, a imagem se desfaz. Extremamente granulada – representação de uma possível imagem caseira, amadora, como se participássemos, nós também, daqueles instantes -, o que a cena de imagens quase estragadas representa é a desintegração. É o inalcançável; a impalpabilidade desse amor. Ou da felicidade de Suely.

O impacto é reforçado com a mudança seca para planos muito fechados de um rosto, no silêncio, contra a janela de um ônibus em movimento. Vemos o que podemos considerar como a primeira cena do filme – e aqui também resumo, ou ratificação, de tudo o que está por vir. A protagonista permanece soturna, envolvida pelas grandes sombras do interior do ônibus, que contrastam com a claridade da cena anterior. O que lhe é possível é o deslocamento. E será sempre a sua única possibilidade.

cena do filme

Quando conhecemos seu destino, anunciado por uma placa de estrada, conhecemos também o seu novo ambiente. Iguatu não pesará a Hermila menos do que todo o resto. De um grande céu azul, pesado de tão forte e extenso, de um horizonte limpo, triste de tão deserto, o que espera a protagonista é um espaço vazio e, ainda assim, saturado – aqui também não encontrará espaço. Nesta cidade, a noite, ela também, não se mostrará mais receptiva do que o dia. Escura, pesada sobre os ombros da personagem – e sobre os nossos mesmo -, representa que, independentemente da hora, não haverá conforto.

O filme, em todos os aspectos, é bem realizado. A trilha, econômica, é usada nos momentos certos, as interpretações são reais, a fotografia é bonita; a direção de arte torna a realização absolutamente crível, veraz. Quanto à câmera, as escolhas são todas feitas de maneira sensível, como quando um plano aberto, quase cru, de sexo entre Hermila e João (João Miguel) é trocado, a corte seco, por uma seqüência completamente recortada, em close de pequenas cenas do corpo da protagonista, enquanto ela se banha. São em momentos como esse que a imagem se torna de fato poesia – em contraste com a distância analítica do sexo.

Ainda assim, ecoa em minha mente – e fiz questão de anotar – uma frase dita por Hermila em relação a seu filho, mas que eu poderia repetir tranquilamente em relação ao filme: “Às vezes, dá vontade de deixar ele no mato e sair correndo”. Em alguns momentos, e eu poderia dizer que são a maioria, Hermila Guedes não faz bem sua personagem, ela É a sua personagem. Não vemos uma atriz, mas uma menina confusa e em fuga, que nos cativa não por provocar pena ou simpatia, mas por nos parecer real. É impossível não absorver o sentimento de deslocamento vivenciado pela protagonista – que se torna nosso único foco de atenção, como um eclipse sobre os outros personagens – e nos sentirmos, nós também, sem sossego. Suely nos lembra que nós mesmos não temos nosso céu. E como ela, angustiados como ela, o que nos resta é fugir.

Hermila como Suely

Neste novo Nordeste, retratado por Karim Aïnouz – Nordeste do “Moto Táxi Caxias”, do problema com a prostituição, da inserção de programas e músicas populares, de uma tristeza cinza, apesar do céu azul -, o que percebemos é um esboço das grandes capitais, com todos os seus problemas. Aqui o dinheiro também é o grande movente. Quando, com apenas meia hora de filme, Hermila nos confirma que Iguatu também não é o seu paraíso, buscando outro refúgio para si, o mais distante possível da cidade, não importa para onde se vá, desde que se possa pagar o deslocamento; como não importa com quem se irá dormir, desde que se consiga juntar o dinheiro.

E apesar de todo o peso, ainda nos é apresentada uma personagem doce, uma jovem com todos os seus conflitos. Hermila, de seus 21 anos – embora sua expressão severa e todos os infortúnios já passados -, visivelmente apaixonada por João, precisa renunciar a seu amor em nome de sua fuga; precisa abdicar de seus sentimentos para que possa sobreviver. Da mesma forma, mostra-se decidida no momento de rifar a sua “noite no paraíso” e enfrentar todos aqueles que se opõem a sua decisão, mas se apresenta insegura e nervosa enquanto espera que o ganhador apareça, apegando-se cegamente a questionamentos ingênuos, como se ele possui ou não uma voz bonita.

E eis que nossos últimos momentos com Hermila são como os primeiros. Sob uma placa de “Aqui começa a saudade de Iguatu”, cercada pelo mesmo horizonte deserto e o mesmo céu saturado, a personagem parte mais uma vez com o rosto contra a janela, com a mesma música que inicia o filme. A diferença, única, é que desta vez ela está voltada para o outro lado da tela – Iguatu não passou de um ponto passageiro, como todos os outros. Aqui chegou e daqui parte. Nada está resolvido e nada se resolverá. Sem esperanças, apesar do pequeno sorriso com o qual se despede, seus problemas não foram resolvidos – o final, sem fim, ainda é fuga.

Na primeira vez em que assisti ao “O céu de Suely”, Hermila me pareceu uma peça de quebra-cabeças na caixa errada, como se não fizesse parte do jogo – ou fosse exagerada para a sua posição. Revendo agora, percebo que o que me incomoda não é a falta de encaixe da personagem, mas o que ela representa. Hermila desafina em sua realidade da mesma maneira que eu desafino na minha. Ela simboliza a quebra de um faz-de-conta. A única certeza é que não há paraíso no céu de Suely. Não há paraíso para nenhum de nós.

*Tiago Canário é graduando em jornalismo pela Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Author Image

RUA

RUA - Revista Universitária do Audiovisual

More Posts

2 Comentários para: “O Céu de Suely (Karim Aïnouz, 2006)

  1. Um filme tão real, sincero, na medida.. e ainda com uma simplicidade de recursos e fotografia belíssima. Tem uma carga emotiva e filosofica incrivel. A situaçao de ‘desencaixe’ da personagem reflete um crise de existencia que muitos ja devem ter passado, quem sou eu e qual o sentido da minha vida. O filme consegue passar um sentimento nostalgico mas sem ser um drama piegas. Parabéns ao cinema nacional, mais uma pérola para eternidade!

  2. Grande homem Karim Ainouz. Não vi seus filmes mas sua entrevista a Lázaro Ramos me comove, qdo fala sobre o desconforto de estar no mundo, que é esquisito, pois sinto o mesmo. Que bom encontrar eco para os meus sentimentos.
    Ana Maria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>