CRÍTICA | A Mãe (1926), Vsevolod Pudovkin

CRÍTICA | A Mãe (1926), Vsevolod Pudovkin

RUA14 de maio de 20243 min read
Utilizando-se da greve como catalisador para a mensagem de consciência de classe da obra, mostrando justamente que em momentos de crise a tomada de decisões políticas são de suma importância para, não só a sociedade, mas para próprio o indivíduo.
CRÍTICA | Classe Operária vai ao Paraíso (1971), Elio Petri

CRÍTICA | Classe Operária vai ao Paraíso (1971), Elio Petri

RUA7 de maio de 20244 min read
Este clássico italiano de 1971, dirigido por Elio Petri, mergulha na jornada de um operário obcecado por ascender socialmente em meio à exploração e alienação. Uma obra que confronta o capitalismo e as complexidades das relações de classe, oferecendo uma visão contundente sobre as lutas e esperanças dos trabalhadores.
CRÍTICA | Rivais (2024), Luca Guadagnino

CRÍTICA | Rivais (2024), Luca Guadagnino

RUA2 de maio de 20243 min read
Rivais é o filme esportivo definitivo sobre tênis, com seu enredo dramático, sensual e cativante consegue ser inovador dentro do gênero, pois nunca se captou tão bem o espírito de estar jogando com o coração em quadra.
CRÍTICA | O Menino e a Garça (2023), Hayao Miyazaki

CRÍTICA | O Menino e a Garça (2023), Hayao Miyazaki

RUA30 de abril de 20242 min read
Se tem algo que me fascina nos filmes do Studio Ghibli são as doses de realidade e fantasia que, misturadas com um profundo carinho e delicadeza, trazem ao espectador a história que se quer contar sem precisar se apegar aos detalhes. Mas não significa que os detalhes devem passar despercebidos, muito pelo contrário.
5 TRILHAS SONORAS PARA CONHECER ENNIO MORRICONE

5 TRILHAS SONORAS PARA CONHECER ENNIO MORRICONE

RUA24 de abril de 20243 min read
Ennio Morricone compôs mais de 400 trilhas sonoras para o cinema e a televisão. Muitas delas imortalizadas e por vezes mais lembradas que os próprios filmes. Para homenageá-lo, apresentamos cinco filmes com trilhas sonoras inesquecíveis desse artista genial.

CRÍTICA | A Mãe (1926), Vsevolod Pudovkin

Utilizando-se da greve como catalisador para a mensagem de consciência de classe da obra, mostrando justamente que em momentos de crise a tomada de decisões políticas são de suma importância para, não só a sociedade, mas para próprio o indivíduo.

Continue reading

CRÍTICA | Classe Operária vai ao Paraíso (1971), Elio Petri

Este clássico italiano de 1971, dirigido por Elio Petri, mergulha na jornada de um operário obcecado por ascender socialmente em meio à exploração e alienação. Uma obra que confronta o capitalismo e as complexidades das relações de classe, oferecendo uma visão contundente sobre as lutas e esperanças dos trabalhadores.

Continue reading

CRÍTICA | Rivais (2024), Luca Guadagnino

Rivais é o filme esportivo definitivo sobre tênis, com seu enredo dramático, sensual e cativante consegue ser inovador dentro do gênero, pois nunca se captou tão bem o espírito de estar jogando com o coração em quadra.

Continue reading

CRÍTICA | O Menino e a Garça (2023), Hayao Miyazaki

Se tem algo que me fascina nos filmes do Studio Ghibli são as doses de realidade e fantasia que, misturadas com um profundo carinho e delicadeza, trazem ao espectador a história que se quer contar sem precisar se apegar aos detalhes. Mas não significa que os detalhes devem passar despercebidos, muito pelo contrário.

Continue reading

5 TRILHAS SONORAS PARA CONHECER ENNIO MORRICONE

Ennio Morricone compôs mais de 400 trilhas sonoras para o cinema e a televisão. Muitas delas imortalizadas e por vezes mais lembradas que os próprios filmes. Para homenageá-lo, apresentamos cinco filmes com trilhas sonoras inesquecíveis desse artista genial.

Continue reading

CRÍTICA | Guerra Civil (2024), de Alex Garland

O novo longa Alex Garland, Guerra Civil (2024), pode ser tudo, menos uma ótica representativa de guerra (salvo a insanidade e estereótipos delirantes). Ao se esquivar do aspecto político intrínseco ao conflito armado proposto, carece ao filme profundidade e complexidade narrativa, quando o objetivo de contemplar a atuação do fotojornalismo se reduz em formalismos: o…

Continue reading

CRÍTICA | Dias Perfeitos (2023), Wim Wenders

Dias perfeitos é uma grande homenagem do Wim Wenders, não só ao cinema Yasujiro Ozu, mas também ao Japão como um todo, e talvez justamente por isso que a sua simplicidade acaba se prendendo em uma falsa complexidade, tal qual a de um olhar estranjeiro em uma sociedade diferente.

Continue reading

Streaming e TV

Uma análise do potencial social dos dramas adolescentes nas plataformas de streaming a partir da série Sex Education

Sex Education não só possui grande potencial social, mas também exerce tal função com excelência. Ao incluir em seu enredo conteúdo informativo/educacional a respeito da sexualidade na adolescência, a série consegue unir o advento da TV globalizada ao fato de possuir um conteúdo considerado generalista, com tópicos universais, e pode ser agradável a diversas audiências,…

Continue reading

A ironia como ferramenta crítica: uma análise da sátira sobre a Internet e seus impactos atuais presente no filme Inside (2021)

Por: Ana Menezes Introdução Inside (2021), é um especial musical da Netflix dirigido, roteirizado, interpretado e montado pelo comediante norte-americano Bo Burnham. O filme foi traduzido e legendado para 29 idiomas diferentes (segundo o próprio site da Netflix), obteve feedback positivo por grande parte de seu público (Rotten Tomatoes; IMDB) e vencedor de uma dezena…

Continue reading

THE IDOL (2023) E O ESVAZIAMENTO ESTILIZADO

O aspecto composicional de imagem e som em The Idol é extremamente pobre e superficial, existindo nesse contexto apenas para servir uma vaidade dos realizadores, que estão mais preocupados em criar uma fantasia sexual perturbadora e uma provocação rasa do que construir e elaborar uma narrativa complexa
e coesa.

Continue reading

VAI NA FÉ (2023): UMA RELEITURA DO PASSADO COMO REPARAÇÃO PARA UM FUTURO PROMISSOR (DA TELENOVELA?)

O presente ensaio visa discutir como a representatividade (étnica, sexual e religiosa) é desenvolvida na telenovela Vai na Fé (2023), de Rosane Svartman, a partir das esferas cinematográficas e narrativas (roteiro, cenografia, trilha sonora, etc.), assim como no âmbito da produção (marketing e patrocínio), apontando para uma possível tendência a ser seguida frente às discussões…

Continue reading

PLATAFORMA AMAZÔNIAFLIX E A DIFUSÃO AUDIOVISUAL PRODUZIDO NA AMAZÔNIA

O artigo visa compreender o espaço reservado para a difusão do audiovisual amazônico dentro da nova lógica de consumo e exibição por meio das plataformas de streamings, analisando  a atuação da plataforma AmazoniaFlix nesse contexto. Para isso, traça-se um panorama do cinema  amazônico desde o século XX, ressaltando a dominação do mercado por realizadores externos…

Continue reading