CRÍTICA | Grande Sertão (2023), Guel Arraes

CRÍTICA | Grande Sertão (2023), Guel Arraes

RUA18 de julho de 20245 min read
Obra de Guel Arraes propõe uma visão que mistura temporalidades da realidade brasileira, mas perde sua potência na falta de soluções cinematográficas para a narrativa.
Três matizes e meio: porosidade e ruído na taxonomia da banda sonora

Três matizes e meio: porosidade e ruído na taxonomia da banda sonora

RUA17 de julho de 202429 min read
O que entendemos como a taxonomia da banda sonora parece ter fronteiras menos rígidas. Mergulhar na música, nos ruídos e no silêncio faz parte do questionamento de certos paradigmas.
Cinema e Esporte: Sessão de O Corintiano no Cineclube “Da RUA ao CAIS” de Julho

Cinema e Esporte: Sessão de O Corintiano no Cineclube “Da RUA ao CAIS” de Julho

RUA16 de julho de 20241 min read
O filme é a segunda exibição da mostra Cinema e Esporte, do Cineclube “Da Rua ao CaIS”.
CRÍTICA | Blue Jean (2022), Georgia Oakley

CRÍTICA | Blue Jean (2022), Georgia Oakley

RUA16 de julho de 20244 min read
Em Blue Jean (2022), dirigido por Georgia Oakley, uma realidade é explorada com sensibilidade, ao revelar a tensão e medo de quem esconde sua identidade.
Cinema e Esporte: Sessão de Rivais no Cineclube “Da RUA ao CAIS” de Julho

Cinema e Esporte: Sessão de Rivais no Cineclube “Da RUA ao CAIS” de Julho

RUA11 de julho de 20241 min read
“Nesse mês de Julho, o cineclube “Da RUA ao CAIS” acompanhará as celebrações acerca dos jogos olímpicos de Paris e exibirá uma série de filmes que apresentam relação com o esporte”

CRÍTICA | Dungeon Meshi, Episódios 1-24 (2024), Yoshihiro Miyajima

Não é incomum a existência de animes que tragam um ponto de vista focado na arte culinária, entretanto, Dungeon Meshi (2024) faz diferente ao misturar o universo da alimentação com um de fantasia. Nesse mundo, permeado por monstros e magia, como é denotado pelo narrador: “Comer é um privilégio dos vivos.”

Continue reading

CRÍTICA | In a Violent Nature (2024), Chris Nash

A carência de inspiração impede que a natureza do título explore, de fato, a violência intrínseca ao protagonista e o ambiente, limitando-se à representação da monotonia de uma figura maligna que vaga por belas paisagens.

Continue reading

CRÍTICA | Divertidamente 2 (2024), Kelsey Mann

Por mais que o espaço percorrido seja similar, a presença de Nojinho, Raiva e Medo no lugar de Tristeza, além das visitas a outros locais não pré-estabelecidos, faz com que o filme não se passe por mais do mesmo, mas sim como uma revisita a partir de um olhar diferente, o que faz com…

Continue reading

Streaming e TV

Uma análise do potencial social dos dramas adolescentes nas plataformas de streaming a partir da série Sex Education

Sex Education não só possui grande potencial social, mas também exerce tal função com excelência. Ao incluir em seu enredo conteúdo informativo/educacional a respeito da sexualidade na adolescência, a série consegue unir o advento da TV globalizada ao fato de possuir um conteúdo considerado generalista, com tópicos universais, e pode ser agradável a diversas audiências,…

Continue reading

A ironia como ferramenta crítica: uma análise da sátira sobre a Internet e seus impactos atuais presente no filme Inside (2021)

Por: Ana Menezes Introdução Inside (2021), é um especial musical da Netflix dirigido, roteirizado, interpretado e montado pelo comediante norte-americano Bo Burnham. O filme foi traduzido e legendado para 29 idiomas diferentes (segundo o próprio site da Netflix), obteve feedback positivo por grande parte de seu público (Rotten Tomatoes; IMDB) e vencedor de uma dezena…

Continue reading

THE IDOL (2023) E O ESVAZIAMENTO ESTILIZADO

O aspecto composicional de imagem e som em The Idol é extremamente pobre e superficial, existindo nesse contexto apenas para servir uma vaidade dos realizadores, que estão mais preocupados em criar uma fantasia sexual perturbadora e uma provocação rasa do que construir e elaborar uma narrativa complexa
e coesa.

Continue reading

VAI NA FÉ (2023): UMA RELEITURA DO PASSADO COMO REPARAÇÃO PARA UM FUTURO PROMISSOR (DA TELENOVELA?)

O presente ensaio visa discutir como a representatividade (étnica, sexual e religiosa) é desenvolvida na telenovela Vai na Fé (2023), de Rosane Svartman, a partir das esferas cinematográficas e narrativas (roteiro, cenografia, trilha sonora, etc.), assim como no âmbito da produção (marketing e patrocínio), apontando para uma possível tendência a ser seguida frente às discussões…

Continue reading

PLATAFORMA AMAZÔNIAFLIX E A DIFUSÃO AUDIOVISUAL PRODUZIDO NA AMAZÔNIA

O artigo visa compreender o espaço reservado para a difusão do audiovisual amazônico dentro da nova lógica de consumo e exibição por meio das plataformas de streamings, analisando  a atuação da plataforma AmazoniaFlix nesse contexto. Para isso, traça-se um panorama do cinema  amazônico desde o século XX, ressaltando a dominação do mercado por realizadores externos…

Continue reading