CRÍTICA | Dungeon Meshi, Episódios 1-24 (2024), Yoshihiro Miyajima

Não é incomum a existência de animes que tragam um ponto de vista focado na arte culinária, entretanto, Dungeon Meshi (2024) faz diferente ao misturar o universo da alimentação com um de fantasia. Nesse mundo, permeado por monstros e magia, como é denotado pelo narrador: “Comer é um privilégio dos vivos.”

Continuar lendoCRÍTICA | Dungeon Meshi, Episódios 1-24 (2024), Yoshihiro Miyajima

CRÍTICA | Divertidamente 2 (2024), Kelsey Mann

Por mais que o espaço percorrido seja similar, a presença de Nojinho, Raiva e Medo no lugar de Tristeza, além das visitas a outros locais não pré-estabelecidos, faz com que o filme não se passe por mais do mesmo, mas sim como uma revisita a partir de um olhar diferente, o que faz com que não caia na mesmice ou na repetitividade.

Continuar lendoCRÍTICA | Divertidamente 2 (2024), Kelsey Mann

CRÍTICA | Metrópolis (1927), Fritz Lang

O filme inaugura o que veríamos depois com outras obras que tratam de distopias. Quase um século após sua estreia original, Metrópolis comenta sobre a opressão por classe e insere o elemento da enganação com inteligência artifical de maneira a qual faz a trama do filme parecer algo que sairia no futuro, em 2027, e não cem anos antes.

Continuar lendoCRÍTICA | Metrópolis (1927), Fritz Lang

CRÍTICA | ABC da Greve (1979), Leon Hirszman

Inspirado nas reflexões de Benjamin sobre a natureza das massas proletárias e sua relação com o poder, o filme de Hirszman desafia as convenções ao apresentar não uma massa compacta e controlada, mas sim uma multidão heterogênea e caótica após as assembleias. Essa abordagem rompe com a estetização da vida política e oferece uma visão autêntica e multifacetada dos eventos.

Continuar lendoCRÍTICA | ABC da Greve (1979), Leon Hirszman